“O sonho encheu a noite. Extravasou pro meu dia. Encheu minha vida e é dele que eu vou viver. Porque sonho não morre” (Adélia Prado)

27 de set de 2010

Eu ODEIOOOOO ela!


Existem pessoas que bastam ir uma só vez a um lugar e decoram o caminho. Não é o meu caso. Sou muito distraída, tenho que ir no mínimo umas três vezes. É por esse motivo que sempre mantive no meu carro o bom e velho Guia 4 Rodas.

Nunca gostei de GPS e nunca quis ter um. Detesto aquela voz irritante me indicando o caminho, fico com aquela sensação de que estou com uma palpiteira ao meu lado expondo toda a minha burrice. Prefiro fazer meu trajeto ouvindo uma musiquinha e, quando me perco, paro, consulto o Guia, ou apelo para o quem tem boca vai à Roma”.

Bem que alguém poderia inventar um GPS especialmente para mulheres, com uma voz masculina, grave, aveludada, sensual... Que falasse bem devagar e repetisse quantas vezes fossem necessárias. E que não se esquecesse de elogiar quando a gente fizesse tudo direitinho h ó o o o o, mas que mulher inteligente!”

Mas eu sou uma mulher moderna, certo? Tenho que me atualizar, e além do mais, tenho várias amigas que tem GPS e eu não podia ficar por baixo.

Foi por isso que decidi experimentar a coisa. Pedi emprestado o do meu marido e escolhi um lugar aqui mesmo na minha cidade para a minha estreia. Quando estivesse craque me aventuraria ir à São Paulo.

Minutos antes de sair, programei o negócio do jeito que meu marido me ensinou e lá fui eu, crente que na volta ligaria para uma amiga e daria aquela esnobada básica. Tinha até ensaiado umas falas.

Entrei no carro e mal saí da garagem ela já lascou a primeira frase: a-trinta-metros-vire-a-direita.

Dobre-ligeiramente-a-esquerda.
Mantenha-se-a-direita.

Ok, eu começava a ficar irritada, mas tudo que fiz foi pensar dá um tempo, sei bem sair do meu condomínio!

Logo de cara percebi que ela estava me levando direto para o pedágio, mas eu tenho meus macetes, conhecia bem aquele trecho e segui por um caminho alternativo ignorando seu falatório. Vai vendo como sou mais esperta que você...

Até parece que ela adivinhou meus pensamentos, pois foi só eu colocar os pneus numa estradinha totalmente deserta e desconhecida, ela apagou, ficou muda. MU-DI-NHA! Justamente quando eu mais precisava dela!

E agora?... finjo que não entendi a vingança e sigo meu caminho, ou volto pra casa com uma desculpa esfarrapada?

Quando a estradinha acabou e estava prestes a entrar na cidade, decidi dar à ela mais uma chance... tá, confesso, pedir à ela mais uma chance. Estacionei o carro num acostamento perigosíssimo e reprogramei tudo novamente.

Foi aí que começou o meu calvário.

Devo ter feito algo muito grave, pois ela endoidou de vez! Disparou a falar, mas não dizia coisa com coisa e continuava apagada.
Sempre tive dificuldade com esse negócio de esquerda/direita, levo alguns segundos para assimilar. “O lado direito é o lado da mão que você escreve” – dizia minha mãe quando eu era criança. Brrrrrrrr, não dá para escrever no trânsito, né, mãnhêeeeeeeee!!!

Não sei como aquilo aconteceu, mas de repente me vi em outra estradinha deserta. Eu estava completamente perdida. PER-DI-DI-NHA DA SILVA!!! E aqueles apitos do você errou dinovo me deixavam doida! Recalculando-a-rota... recalculando-a-rota... Acho que nuca mais eu vou esquecer essa frase.

A essa altura eu não pensava desaforos, estava falando em voz alta “O quê? Como? Não entendi. Repete sua vadia! Repete!"

Vire-a-direita... e PA! invadi uma área militar!

Tão rápido como um relâmpago apareceram três soltados apontando seus fuzis direto pra minha cabeça!

Instintivamente fui escorregando no banco para me safar dos tiros. O que veio depois foi a parte mais hilária de todo esse episódio.

Como não ouve tiros, fui levantando bem devagar, e, repentinamente, levei as duas mãos para o alto (daquele jeito mesmo como fazem os bandidos quando são surpreendidos pela polícia). Comecei a gesticular com as mãos tipo ó, ó, vou tirar o cinto... ó, ó, vou sair do carro... ok? ok? – Tudo com as mãos lá no alto.

Enquanto fazia mímicas, imaginei meu marido gastando as tufas com o advogado para me soltar da prisão do quartel... e meus filhos assistindo a reportagem no Jornal Nacional .... ela diz que a culpa foi do GPS, mas a Segurança Nacional vai investigar o caso...”

Afastei imediatamente aqueles pensamentos, não era hora para pensar nisso, era hora de pensar numa boa desculpa para aquela invasão.

Mas será mesmo que eu precisava gastar minha criatividade pra elaborar uma explicação convincente?... Será que eles não estavam vendo que se tratava de uma senhora perdida? (nessas horas é um alivio ser uma senhora, né...).

Desci do carro e me preparava para abrir a boca quando ela disse: recalculando-a-rota...

Estão ouvindo? - disse eu. A culpa é DELA!

16 comentários:

  1. Hua, kkk, ha, ha, realmente criativa a crônica, mas mas tem modernidade que a gente não consegue acompanhar nem com boa vontade...

    Fique com Deus, menina M. Sueli Gallaci.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Ahahahahaha! Amei!
    Querida, vc me garante boas risadas qdo passo por aqui!!!
    Bjao!

    ResponderExcluir
  3. Hahahaha, não acredito no que li! Você, dona Sueli, tão esperta, passar por tudo isso, invadir área militar, levantar as mãos, feito bandido? Depois de ler isso vou andar mais de taxi. Olha, falando sério, essa dona aí do GPS também me daria um nó. Ficaria sem concentração nas mãos desta mulher. Portanto, eu fora.
    Bela crônica, que humor para contar... E essa foto ai? rsrs.

    Beijão, amiga.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom.

    Humor e bom humor é tudo, me lembrei da minha mãe dizendo a direita é a mão que você escreve, meu pai para bagunçar dizia agora se for canhota usa a esquerda... Minha ficava muito brava.
    Adorei voltarei sempre.

    Renata

    ResponderExcluir
  5. rssssssssssssssssssss...adorei!Rimuito por aqui e se fosse comigo teria voaaaaaaaaaaaaaado na primeiralixeira,bemtapadinha antes que ela me falasse: Não adianta, agora quuuuuuuuuuuuem vaaaaaaaaaaaaaaaaaai conseguiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiir chegarrrrrrrrrrr em caaaaaaaaaaaaaaasa???

    rsrs beijos,chica

    ResponderExcluir
  6. Ah, Sueli, não achei a crônica dos enlutados mas essa aqui além de sensacional , veio a calhar. Acabei da dar um GPS hoje para a minha mulher. E ela precisa ler isso. Ah, se precisa! hahahahahaha" Fantástico! Adorei! Abração. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  7. Nossa!!!!! hahahahaha Que coisa doída hein!!! Acho que depois dessa, vou continuar com meu antigo guia de rua mesmoa...hahahaha...bjos

    ResponderExcluir
  8. Me acabei de rir aqui. Invadir uma área militar foi hilário.
    Excelente crônica, cheia de um humor gostoso de acompanhar. Não desgrudei os olhos da tela do PC nem por um segundo.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Adorei o texto, tu é muito criativa e engraçada...vou passar sempre por aqui...Agora chamar o GPS de vadia foi ótimooooooooooooo....kkkk eu faria o mesmo...

    bejO

    já te sigo!

    ResponderExcluir
  10. Kkkkkkk, adorei!!!!

    Agora quanto ao GPS, no início eu pagava uns micos, mas agora acostumei e me sinto supersegura. Bjsss

    ResponderExcluir
  11. kkkkkkkkkkkkkk
    Sueli, tu é fantástica! Adorei a conversa que tu teve com o Gps, na tua pele faria o mesmo...Adorei teu blog, teus textos, teu jeito de escrever e descrever fatos...

    Ganhou uma seguidora e comentarista fiel.

    Abraços

    ResponderExcluir
  12. Tinha lido o post Endereço Certo e passei a ler esse do Endereço Errado ri muito eu tambem tive e tenho muita dificuldade com direito e esquerda e isso até na politica... Nos desfile de 7 de Setembro era uma tristeza nunca conseguia acertar o passo!

    ResponderExcluir
  13. hehhehe odeio gps , prefiro o boa e velha maneira de encostar e perguntar onde fica tal rua ?

    ResponderExcluir
  14. Sueli,

    Tenho uma amiga que não é blogueira, mas que 'viciou em você' desde que falei das suas crônicas e foi ela quem me deu a dica desta aqui em especial, então estou deixando este comentário em nome dela também =)

    AMAMOS ESTA CRÔNICA!!! Ri muito, você escreve de um jeito hilário, fiquei imaginando cada cena, em especial as mais dramáticas kkk Vingativa essa moça do GPS, hein!!! E o pior é que tenho história parecida para contar, ou seja, também odeio ela!!!rsrsrs Me deixou em maus bocados, à noite, debaixo de chuva e com o carro cheio de criancinhas no banco de trás!!!

    É muito bom passar por aqui, um beijão nosso: Suzy e Gabriela

    ResponderExcluir

Sejam bem vindos! Sintam-se a vontade. Comentem, digam o que pensam. Podem rodar a baiana, só não cutuquem a onça com vara curta, ok?... rs