“O sonho encheu a noite. Extravasou pro meu dia. Encheu minha vida e é dele que eu vou viver. Porque sonho não morre” (Adélia Prado)

2 de out de 2010

TERRA - O ENDEREÇO CERTO


Hoje eu acordei com vontade de falar sério. Aproveitem porque isso é raríssimo! rs.

O texto é longo, mas vale a pena ser lido. Trata-se de um assunto complexo, porém vital que o abordemos. Um mistério incompreensível, dizem muitos, e por esse motivo, deixado de lado. Mas eu não deixei e parti para as pesquisas.

Vou falar da ciência e da bíblia. Tracei um parâmetro entre a duas desejando mostrar que a bíblia não contraria a ciência, muito pelo contrário, ela apoia! *(leiam algumas provas no rodapé).

Assim como a teologia, a ciência como um todo é um assunto que muito me interessa. Estou sempre antenada a tudo que acontece nesse universo de pesquisas, principalmente sobre as novas 'descobertas' dos cientistas sobre o inicio do universo e tudo que nele há.

Às vezes as coisas nos parecem simples por que são simples mesmo. Não entendo a dificuldade que as pessoas têm de aceitar um fato ainda que lhes pareça óbvio , e continuam numa busca incessante por uma resposta um pouco mais difícil que as satisfaça.

Por exemplo: Gênesis 1:1 diz: “No princípio Deus criou os céus e a terra” e ponto final! Mas poucos aceitam esta declaração simplista e desde os primórdios da antiguidade, cientistas vêm tentando provar o contrário, rejeitam a existência de um Criador.

O evolucionista Richard C. Lewontin disse: “O nosso comprometimento com o ponto de vista materialista não nos permite abrir nenhuma brecha para Deus.”

Eis uma verdade, mas seria esse raciocínio coerente?

Ok, tudo teve inicio de uma gigantesca explosão, o Big Bang. Cientistas do mundo todo já provaram isso. Provaram, também, que o Big Bang foi gerado por uma energia incalculável. Mas de onde veio toda essa energia?... Esta é uma porta que ainda está fechada e nenhum cientista conseguiu abri-la até o momento.

Quem estaria por de trás dessa porta? Deus?... A maioria dos cientistas diz que não. Eles não concordam com o relato de Gênesis 1:1 por não haver provas cientificas cabais. Concordar seria o mesmo que declarar suas fraquezas e limitações.

A descrença talvez esteja no fato de que o registro bíblico declara que Deus criou o universo em seis dias, e que esses dias seriam literais de 24 horas. Talvez não saibam que o termo hebraico yohm traduzido “dia” que aparece no relato de Gênesis, aparece também em outros relatos indicando medidas variadas de tempo e até de eras. E os termos “manhã” e “noitinha” que também aparecem lá, podem indicar simplesmente o começo e o fim de uma era. A obra Old Testament Word Studies (Estudos Verbais sobre o Velho Testamento) de William Wilson concorda com isso. Concorda que o relato descreve os “dias criativos” de Deus como tendo a "duração de tempos incalculáveis por nós".

O relato de Gênesis foi escrito do ponto de vista de um observador terrestre. Este “observador” alistou os acontecimentos na seguinte ordem: (1) um princípio; (2) uma terra primitiva em trevas, e envolta em pesados gases e em água; (3) a luz; (4) uma expansão ou atmosfera; (5) grandes áreas de terra seca; (6) plantas terrestres; (7) sol, lua e estrelas, tornando-se discerníveis na expansão, e o inicio da estação; (8) monstros marinhos e criaturas voadoras; (9) animais selváticos e domésticos, mamíferos; (10) o homem.

A ciência concorda que tais estágios ocorreram nessa ordem geral. Veja o que disse o bem-conhecido geólogo Wallace Pratt: “Se eu tivesse que explicar concisamente nossas idéias modernas sobre a origem da Terra e o desenvolvimento da vida sobre ela a um povo simples, pastoril, tal como o das tribos a quem foi dirigido o Livro de Gênesis, dificilmente poderia fazê-lo melhor do que seguir bem de perto grande parte da linguagem de Gênesis.” Ele disse, também: “... é essencialmente a sequência das principais divisões do tempo geológico!” (The Lamp (A Lâmpada) “Os Mundos de Wallace Pratt”, de W. L. Copithorne – p. 14).

Quais as chances de Moisés, o escritor de Gênesis, ter acertado de primeira a ordem dos acontecimentos da criação? Matemáticos concordam que é uma em 3.628.800 vezes!

Entretanto, a ciência não dá margem a um Criador ali presente, conhecedor dos fatos e podendo revelá-los aos humanos.

Mas as coisas estão mudando entre a classe de cientistas. Vejam aonde as minhas pesquisas me levaram:

Analisem o que disse o físico evolucionista Paul Davies: “Até mesmo cientistas ateus ficam emocionados ao falar sobre a dimensão, majestade, harmonia, elegância e absoluta engenhosidade do Universo”. Sabendo que a vida não existiria se não fosse por fatores extremamente exatos, ele continua: “Estamos no endereço certo. Na cidade certa (o sistema solar), na rua ideal (a órbita que a terra percorre na ‘cidade’, o sistema solar) e temos o vizinho perfeito (a Lua).

Eu pergunto: Será que as características da Terra são resultado do acaso ou de um projeto inteligente?

E o que dizer dos eficientes e versáteis escudos da Terra?

O espaço é um lugar perigoso, repleto de meteoróides e radiação letal. Nosso planeta azul parece estar no meio de um “tiroteio” galáctico, e ainda assim permanece relativamente ileso. Por quê? A terra é protegida por dois escudos incríveis: um poderoso campo magnético e uma atmosfera muito bem projetada.

O que é isso? Obra do acaso?

Falando sobre o “ar condicionado” da Terra, o campo magnético e a água, o livro Rare Earth-why Complex Life Is Uncommon in the Universe (Terra Rara – Por Que a Forma Complexa de Vida é Incomum No Universo) diz: “Parece que a Terra pensou em tudo isso”

É claro que a Terra é resultado da atuação de fatores externos. Mas esses fatores devem-se ao acaso ou a um Criador inteligente e amoroso?

E o que dizer sobre a origem da vida em nosso planeta? De onde ela veio? Do acaso, do espaço, ou houve um projetista inteligente? Analisemos:

Muitos cientistas que acreditam na evolução dizem que a vida começou nas margens de águas estagnadas ou nas profundezas dos oceanos há bilhões de anos. Supõem que substâncias químicas se uniram espontaneamente nessas águas, formando estruturas semelhantes a bolhas, que por sua vez formaram moléculas complexas e passaram a se duplicar. Eles acreditam que toda vida na Terra se originou por acaso de uma ou mais dessas primeiras células “simples”. Mas outros cientistas respeitados não concordam. Supõem que as primeiras células, ou pelo menos seus principais componentes, veio do espaço.

Por que essa discordância? Porque apesar de grandes esforços, até agora os cientistas não conseguiram provar suas teses de que a vida pode ter surgido de moléculas sem vida.

Em 2008 o professor de biologia Alexandre Meinesz trouxe à atenção esse dilema. Ele declarou que ao longo dos últimos 50 anos não se encontrou “nenhuma evidência que apoie a hipótese do surgimento espontâneo de vida na Terra a partir de uma sopa molecular, e que nenhum avanço significativo no conhecimento científico leva nessa direção.” (How Lif Began-Evolution’s Three Geneses, de Alexandre Meinesz – 2008 – PP. 30-33,45).

De fato pesquisadores concluíram que, para uma célula sobreviver, pelo menos três tipos de moléculas complexas precisam funcionar em conjunto: DNA (ácido desoxirribonucléico), RNA (ácido ribonucléico) e proteínas. Hoje, poucos cientistas afirmam que uma célula viva completa se formou repentinamente de uma mistura de substâncias sem vida.

Porém, um pesquisador chamado Stanley Miller conseguiu produzir alguns aminoácidos (os componentes químicos essenciais das proteínas) dando uma descarga elétrica em uma mistura de gases que se acreditava representarem a atmosfera da primitiva Terra. Além disso, alguns aminoácidos também foram encontrados em um meteorito.

Mas vejam o que disse Robert Shapiro, professor emérito de química da Universidade de Nova York: “Alguns autores, presumiram que todos os blocos de construção da vida (aminoácidos) poderiam ser formados com facilidade em experiências como a de Miller e estavam presentes em meteoritos. Mas não é o caso.”

Analisando os complexos nucleotídeos das moléculas do RNA, ele continua: “Nenhum nucleotídeo de qualquer tipo foi apontado como produto das experiências com descarga elétrica ou em estudos de meteoritos”. Ele ainda acrescenta que a probabilidade de uma molécula de RNA autorreplicadora se formar a partir da união aleatória de elementos químicos básicos “é tão diminuta, que se ocorresse mesmo uma única vez em qualquer ponto do Universo visível, representaria um exemplo de sorte excepcional! (Scientific American, “Uma origem mais simples da vida”, de Robert Shapiro, junho de 2007 – p. 48).

E o que se dizer da célula “simples” de onde tudo supostamente teria se originado? Nela, uma proteína funcional comum contém 200 aminoácidos. Mesmo nessas células, há milhares de tipos de proteínas. A probabilidade de uma única proteína composta por apenas 100 aminoácidos se formar por acaso na Terra foi calculada em cerca de uma em 1 quatrilhão de probabilidades!

Outros estudiosos chegaram ao cálculo de uma vez em 1/seguido de 113 zeros!

Todos os matemáticos concordam que qualquer acontecimento que tenha uma probabilidade de uma vez em 1/seguido de 50 zeros é totalmente inexistente!

O pesquisador Hubert Yockey, que apoia a evolução disse: “Eles (os cientistas) estão enganados... É impossível que a vida tenha se originado apenas das proteínas”

A Dra. Carol Cleland, membro do Instituto de Astrobiologia da Nasa disse: “A probabilidade de uma mistura aleatória de proteína e RNA é quase inexistente. Mesmo assim, a maioria dos pesquisadores supõe que, visto que conseguem compreender a questão da produção independente de proteínas e RNA sob condições naturais primitivas, a questão da interação desses elementos se resolverá de algum modo” – e acrescentou ao final: “Ninguém conseguiu dar uma explicação satisfatória de como isso aconteceu” (NASA’s Astrobiology Magazine, “Life’s Working Definition-Does It Work [Site ascessado em 17/03/2009]).

A que conclusão eu cheguei diante de toda essa pesquisa?

Concluí que os cientistas estão num dilema. Eles descobriram alguns aminoácidos que também estão presentes nas células vivas e, em seus laboratórios, produziram outras moléculas mais complexas por meio de experiências bem planejadas e controladas. Com o tempo, eles esperam produzir todas as partes necessárias para formar uma célula “simples”. A situação deles pode ser comparada à de um cientista que reúne alguns elementos naturais, transformando-os em ferro, plástico, silicone e fios de metal e, por fim, constroe um robô. Daí o robô é programado para produzir cópias de si mesmo. Com isso o que o cientista conseguiria provar? Na melhor das hipóteses, que um ser inteligente pode criar uma máquina impressionante.

De modo similar, se os cientistas conseguissem produzir uma célula, isso seria algo fenomenal, mas provaria que uma célula pode surgir por acaso? NÃO! No máximo os cientistas conseguirão provar o contrário!

Há uma pergunta que não quer calar: Se substancias químicas usadas nas experiências representam o ambiente primitivo da Terra, e se as moléculas produzidas representam os elementos básicos da vida, quem ou o que representa o cientista que realizou a experiência? Será que ele representa o acaso ou um ser inteligente?

Pense no seguinte: O que exige mais fé: acreditar que os milhões de partes complexas e organizadas de uma célula surgiram por acaso ou que a célula é produto de uma mente inteligente?

Verdadeiramente a teoria da geração acidental enfrenta problemas. O físico H. S. Lipson declarou em certa ocasião: “A única explicação aceitável é a criação. Sei que isto é anátema para os físicos, como deveras é para mim, mas não devemos rejeitar uma teoria da qual não gostamos, se a evidência experimental apóia.” Observou, também, que depois do livro de Darwin – As Origens das Espécies – “a evolução, em certo sentido, tornou-se uma religião científica; quase todos os cientistas a aceitaram e muitos estão dispostos a ‘moldar’ suas observações para que se ajustem a ela. (Phys Bulletin (Boletim de Física) “Um Físico Examina a Evolução”, de H. S. Lipson – Vol. 31, pg. 138). 

Uma declaração lamentável, porém verídica!

A declaração mais surpreendente que deparei durante toda minha pesquisa foi a do professor Chandra Wickramasinghe da University College, de Cardiff na Grã-Bretanha. Ele disse: “Desde o inicio da minha formação como cientista, sofri forte lavagem cerebral para crer que a ciência não pode ser coerente com qualquer tipo de criação deliberada. Tal noção teve de ser mui dolorosamente posta de lado. Sinto-me bastante desconfortável com a situação, com o estado mental em que agora me encontro. Mas, não existe nenhuma saída lógica... Para que a vida pudesse ter sido um acidente químico na Terra, seria como procurar determinado grão de areia em todas as praias de todos os planetas no universo – e encontrá-lo.” E ele conclui: “Não há outro meio de podermos entender a ordem precisa das substâncias químicas da vida, exceto invocar as criações numa escala cósmica. (Daily Express (Expresso Diário) “Tem de Haver um Deus” de Geoffrey Levy – Londres 14 de agosto de 1981 – p. 28).

Charles Darwin foi o primeiro a levantar a teoria da “geração espontânea” e durante muito tempo, respeitados homens da ciência aceitavam essa teoria. Não obstante, por volta do século 19, Luís Pasteur e outros cientistas deram um golpe mortal na sua teoria, provando, mediante experiências, que a vida somente provém de outra vida prévia.

E de lá pra cá, não há um consenso comum. Tudo que sabemos é que é preciso um ser muito inteligente para criar um robô sem vida.

Os cientistas do mundo todo enfrentam a maior dificuldade para, se quer, entender o mecanismo da forma mais “simples” de uma célula viva. O que seria necessário para criar uma forma de célula mais complexa?

Presumindo que uma primeira célula viva tenha surgido de alguma forma espontânea, existem evidências de que ela evoluiu em todas as criaturas que já viveram na Terra?

E o que dizer do homem, a criatura mais inteligente da Terra e suas 100 trilhões de células diferenciadas de pele, ossos, cabelos, músculos e etc.? Será que ele foi criado inteiro ou evoluiu de um ancestral comum? O que dizem os fósseis? Será que os cientistas estão dizendo a verdade?

Vou falar sobre isso no meu próximo post.

*A BÍBLIA É CIENTIFICAMENTE EXATA!
A Terra está suspensa no espaço (Jó 26:7 - declarado por volta do ano 1613 a.C)
A Terra é redonda (Isaias 40:22 - escrito por volta do ano 732 a.C)
Revelado em detalhes o ciclo das águas (Eclesiastes 1:7 - escrito antes do ano 1000 a.C)
O Universo é governado por leis (Jeremias 33:25 - escrito antes do ano 580 a.C)

23 comentários:

  1. Sueli...
    Interessante teu texto. As indagações da mente que ele estimula já andaram por aqui em meus pensamentos. E quero te dizer uma coisa. É isso mesmo. A vida não é um acaso. O resultado duma grande explosão. Mais fácil acreditar que fomos criados e que estão estão no seu lugar, do jeito que estão, por que alguém, um hábil projetista teve a idéia; do que achar que um enorme bummmmmmmmm sem sentido, deu origem a coisas tão espetaculares como o átomo, as galáxias, e a complexidade das milhares formas de vida.
    Pensamos da mesma forma.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns por esse extenso e bem redigido texto!

    Gostei muito do que li, aprendi também! Foi escrito de forma agradável, embora o tema seja denso,

    Abraços,
    Ester.~

    ResponderExcluir
  3. Amiti Gotswami (ou algo assim a grafia do nome dele) é um físico indiano (altamente espiritualizado) que escreveu um livro chamado "Universo Autoconsciente" onde prova fisicamente certos preceitos religiosos... Paradoxo? Física e religião entrelaçadas? Desmitificação do materialismo, ele tenta demonstrar cientificamente que é tudo uma coisa só, que o universo material não existe, sendo apenas e tão somente consciência... Cara, é de pirar! Mas tem muito haver com o seu post...
    Abção, ótima eleição p/ vc!
    Adh

    ResponderExcluir
  4. Sueli,

    Um excelente e encandor post!

    A complexidade da existência só me faz acreditar mais e mais em Deus! Não que eu ponha barreiras com medo, para proteger-me de supostar interrogações, não.Meu posicionamento flui da minha crença em Deus.somente. Apesar de gostaar muito de ler sobre tudo que questiona a ossa vida planetária.


    Um abraço!

    ResponderExcluir
  5. Senão me engano, há um dizer "que ciência demais não distância de Deus, mas sim aproxima dele", infelizmente, não lembro da figura histórica que disse...

    E tem um detalhe, a biblia é um livro escrito por homens, como conhecimento que eles tinha na época, pois as vezes os sete dias não quer dizer apenas sete dias, mas sete épocas especificas (pensou eu) para a criação dos homens.

    Fique com Deus, menina M. Sueli Gallacci.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. Ah, Sueli, Assim eu me apaixono...rsrs Que primor! eu acho que se pudéssemos sistematizar todo o conhecimento científico já produzido sobre o universo e a vida no planeta , íamos colocar a ciência numa saia justa daquelas! Eu sou o criador do "conciliacionismo".hahaha! Já passou da hora, no meu entendimento de a ciência abrir a guarda e admitir publicamente o que eles, em grande quantidades, intimamente já admitem. É impossível a gente ver o absurdo maravilhoso que é o universo e não crer que houve uma Mãozinha perfeita para moldá-lo, né? Mil beijos e alegria por esta produção maravilhosa, Sueli! Paz e bem, com todo respeito.

    ResponderExcluir
  7. Nossa Senhora... Este assunto é muito polêmico, Sueli! E quem sou eu pra dizer alguma coisa? Muito bem postado seu texto. Leio tudo sobre os 'prós e os contra' de todos os cientistas, teólogos e aparentados, mas não me atrevo a dizer nada. Antes de tudo é uma questão de fé, acho.

    Só coloco minhas dúvidas (como milhões colocam), como fiz no e-mail pra você, anteriormente a este seu texto, aliás, muito bem exposto.

    Mas apenas dúvidas, não avanço mais. Quem sabe lá um dia as coisas não se clareiam...

    Beijos, amiga. Falou serio, sim.
    Tais luso

    ResponderExcluir
  8. "O próprio Sol foi outrora uma novidade, assim como a Terra, assim como o Homem ."

    Postagem fantástica *****.

    Abraço

    ResponderExcluir
  9. Boa tarde querida Sueli...

    Muito boa mesmo a sua postagem...interessante e reflexiva para alguns...outros podem não achar nada demais.
    Para mim foi muito interessante e até esclarecedora em alguns pontos.
    Agora amiga, preciso te dizer que só mesmo uma inteligência SUPREMA, poderia ter criado o seu humano ...
    Se a gente para e pensa na perfeição que é o corpo humano, como tudo funciona em perfeita harmonia...
    Eu não tenho nenhuma dúvida de que Deus é o grande responsável por toda maravilha que vemos e sabemos.
    A ciência nos ajuda a aprender e descobrir mais....
    Mas Deus e só Ele é o Grande Arquiteto!

    Boa semana minha linda!
    Que Ele te cuide sempre!
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Olá menina
    Obrigado pela visita ao meu blog e pelo comentário. Quando puder volte, vou gostar muito.
    Te sigo
    Bjux

    ResponderExcluir
  11. Sueli, boa tarde! fui acessar o texto de hoje e o que apareceu foi esse aqui. Tô doidinhho para ler (é a continuação?).
    Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Olá Sueli,
    Obrigada por sua visita e comentário. Você se dedicou bastante para traçar um paralelo entre o conhecimento científico e o sagrado livro cristão. Parabéns! Nós, seres pensantes, não poderíamos enterrar esse talento, então é muito natural que questionemos e busquemos as provas que fundamentem nossas suposições e fazemos isso através do que chamamos "ciência". Somos seres de investigação e a busca da compreensão das coisas é exatamente esse caminho que você trilhou em seu belo texto.

    Grande abraço.

    ResponderExcluir
  13. Passei aqui, por acaso, para conhecer o blog e adorei. Não é por acaso que vou ficar. Gostei de estar aqui.

    Nossa, Sueli, esse assunto é megapolêmico! Para mim todo e qualquer argumento científico que se contraponha à fé, sempre dará lugar a uma discussão bizantina. É o tipo de discussão que demora anos, séculos, milênios e no final, ninguém chegará a conclusão nenhuma, pois a resposta pode estar na fé, que é um sentimento que não pode ser discutido racionalmente. As dúvidas e certezas da ciência, é óbvio, sempre existirão, afinal somos seres pensantes, raciocinamos. Mas aí damos de cara com a fé. Ou se acredita ou não; ou se tem fé ou não, e ponto final.
    Gostei muito do seu texto, parabéns!!
    Bjsssss

    ResponderExcluir
  14. Olá! Sueli

    Seu texto foi de uma clareza fantástica para mim, por ser um assunto tão polêmico, e uma coisa tenho certeza foi um ou mais seres inteligentes que fizeram tudo isso aqui...rsrs, senão não faz sentido a vida.

    beijos,

    ResponderExcluir
  15. O assunto é sério mesmo, valeu a leitura, eu até achei q não leria tudo.
    O universo é infinito...e misterioso.

    ResponderExcluir
  16. Parabéns. O que você escreveu não é apenas um texto, mas sim uma obra-prima. Até para uma pessoa como eu, que não sou tão ligado a religião sou obrigado a concordar que a ciência não consegue explicar vários fenômenos, o que nos remete a Deus como uma certeza. Porém, se os cientistas concordarem com a idéia de que o criador de tudo é mesmo Deus, isso vale dizer que estão abandonando todas as suas teorias criadas através de anos e anos de pesquisas. Mas eu, particularmente, mesmo não sendo o mais fanático por religião (discordo por exemplo da igreja ser contra o uso de camisinha e anticoncepcional) acredito em Deus e vejo que várias situações da vida são inexplicáveis, a não ser por Deus mesmo. Uma bela reflexão e isso da pano pra manga. abraços.

    ResponderExcluir
  17. A vida é um grande mistério! Creio na criação dEle!
    Beijocas, lindona!
    Bom feriadão!

    ResponderExcluir
  18. Parabéns pela pesquisa!!

    Suas dúvidas foram, de fato, muito bem fundamentadas...

    Beijos,

    ResponderExcluir
  19. A todos os amigos que comentaram esse post deixo os meus mais sinceros agradecimentos.

    Há muito que vinha desejando abordar esse tema com a devida honestidade e transparência que o próprio tema exige.

    Não posso, entretanto, tomar todo o crédito a mim dos relatos aqui expostos sem esclarecer que tive uma excepcional e valiosa ajuda.

    Um beijo a todos com muito carinho!

    ResponderExcluir
  20. Oi Sueli,

    Tudo bem com você? Sou o cara do blog http://despertardoengenheiro.blogspot.com

    Muito legal esse seu texto. Também gosto das interpretações bíblicas que apoiam a ciência. É curioso, mas até Isaac Newton, pai da física clássica, chegou a estudar intensamente a bíblia em busca de conhecimentos sérios.

    E sobre as indagações acerca da origem da vida, do "acaso", etc, veja também esta postagem do blog de um colega meu sobre o biocosmos, algo muito interessante que alguns cientistas estão especulando: http://textosparareflexao.blogspot.com/2010/09/biocosmos.html

    Abração!
    Adriano.

    ResponderExcluir
  21. Quando fiz meu 2º Grau o professor perguntou como achávamos ter surgido o mundo, etc. A minha resposta foi essa de que houve a evolução, mas não do acaso, e sim pela mão de Deus.

    Desde que aprendi na escola e em documentários sobre a origem do universo por meio de uma explosão colossal, correlacionei com o "Haja luz" de Gêneses. E os dias com milhões de anos, pois está escrito mesmo na Bíblia que para Deus, mil anos são como um dia, enfim, o tempo de Deus é relativo.

    O problema é quererem levar a Bíblia ao pé da letra no que é científico. A Bíblia não é um livro científico, mas poético e de sabedoria para nossa orientação de vida. Pelo menos acho que é o fundamental das Escrituras.

    Adorei esse post. Mais uma vez combinamos no entendimento.

    Beijinho...

    ResponderExcluir

Sejam bem vindos! Sintam-se a vontade. Comentem, digam o que pensam. Podem rodar a baiana, só não cutuquem a onça com vara curta, ok?... rs