“O sonho encheu a noite. Extravasou pro meu dia. Encheu minha vida e é dele que eu vou viver. Porque sonho não morre” (Adélia Prado)

12 de jun de 2013

Emanações do Tempo



      


Quem de nós
Vai contar os passos
Entre o chegar e o abraço
Entre o nó e o laço,
Entre o ficar e o depois... Quem?

Quem de nós
Vai medir o espaço
Entre o esperar e o cansaço, quem?

            Quem de nós
Vai corrigir o traço
Torto e cansado
De tanto vaguear
Nesse bilhetinho dobrado?

           Quem de nós
Vai aparar com as mãos:
Lágrima de palhaço,
Purpurina de borboleta,
            Pluma de ninho abandonado,
Sonho aos pedaços?
           
Quem de nós
Vai contar nos dedos
Desejos amarelados,
            Planos apagados,
Segredos bem guardados?

Quem de nós vai colar com lágrimas
            Partitura rasgada
            De música antiga
Na embriaguez amiga?...

           Quem vai bisbilhotar escondido
No jornal de ontem
Páginas viradas,
Notícias reticentes,
            Palavras pendentes
Numa noite inimiga?

            Quem vai impedir a lágrima
De rolar atrevida
E morrer no canto
Do sorriso forjado... Quem?

Quem vai costurar os retalhos
Da loucura à razão,
Do pecado ao perdão?...

Quem de nós ousará somar
O passado ao presente
Subtrair dele o futuro?...

Quem?

-sueli gallacci